Profissionais: 7103
Prontuários: 496263

Portal Saúde Direta - Busca Palavra

BUSCA POR PALAVRA

POSTAGENS ANTERIORES

TAGS CLOUD

Protocolos Algoritmos Diretrizes Fluxogramas

Advertência: Estes artigos e resumos são protegidos pela Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98), sendo vedada a sua transcrição sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais sem autorização dos autores.

Adobe Acrobat Reader
É necessário o Adobe Acrobat Reader instalado.

Câncer de Próstata: Marcadores Tumorais.

Sociedade Brasileira de Urologia.
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina
Número: 287 / Publicado em 09/03/2012 - 18:20

As pesquisas em biologia molecular trouxeram grandes avanços na compreensão da gênese e progressão de várias neoplasias urológicas, e possibilitaram o desenvolvimento de abordagens diagnósticas e terapêuticas baseadas nestes conhecimentos. Neste sentido, os marcadores tumorais são muito importantes.

Abrir arquivo em PDF

Câncer de Próstata: Fatores Prognósticos.

Sociedade Brasileira de Urologia.
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina
Número: 286 / Publicado em 09/03/2012 - 18:21

A abordagem da doença neoplásica exige do profissional médico o conhecimento das diversas variáveis que possam estar envolvidas na história evolutiva dos tumores. A predição, ainda que estimada, de sobrevida e tempo livre de doença é, talvez, o primeiro questionamento do paciente face ao conhecimento do seu diagnóstico.

Abrir arquivo em PDF

Câncer de Próstata: Doença Hormônio-Independente.

Sociedade Brasileira de Urologia
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina
Número: 285 / Publicado em 09/03/2012 - 18:21

Estima-se que portadores de câncer de próstata estadio IV, que falharam ao tratamento hormonal, tenham expectativa de vida mediana de 13 meses, com variação de 7,5 a 27,2 meses, dependendo dos fatores prognósticos, escala de desempenho ECOG, níveis de hemoglobina e presença de doença visceral.

Abrir arquivo em PDF

Câncer de Próstata Metastático: Tratamento e Complicações.

Sociedade Brasileira de Urologia
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina
Número: 284 / Publicado em 09/03/2012 - 18:22

O câncer de próstata metastático (estadiamento M1) é considerado incurável. O tratamento visa melhorar a sobrevida e a qualidade de vida.

Abrir arquivo em PDF

Câncer de Próstata Localmente Avançado: Hormônio e Radioterapia.

Sociedade Brasileira de Urologia
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina
Número: 283 / Publicado em 09/03/2012 - 18:22

O câncer de próstata clinicamente diagnosticado como localmente avançado, correspondente ao estágio T3-T4 (TNM), é definido como um tumor não mais restrito ao órgão, sendo ainda passível de subestadiamento clínico entre 30% a 60% das vezes. Tal diagnóstico é feito com base em exame digital retal, imagem e biópsia.

Abrir arquivo em PDF

Câncer de Próstata Localizado: Tratamento.

Sociedade Brasileira de Urologia
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina
Número: 282 / Publicado em 09/03/2012 - 18:22

A dosagem crescente do antígeno prostático específico (PSA) no rastreamento do câncer de próstata (CaP) vem possibilitando o diagnóstico precoce e o tratamento desta doença. Talvez por isto, o número de diagnósticos dos tumores de baixo risco está aumentando.

Abrir arquivo em PDF

Câncer de Próstata Localizado: Progressão Bioquímica (PSA) após Tratamento.

Sociedade Brasileira de Urologia e Sociedade Brasileira de Patologia
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina
Número: 281 / Publicado em 09/03/2012 - 18:23

Cerca de 40% dos pacientes com câncer de próstata localizado apresentam recidiva do antígeno prostático específico (PSA), após terem sido submetidos a tratamento cirúrgico curativo.

Abrir arquivo em PDF

Câncer Familial.

Sociedade Brasileira de Genética Clínica
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina
Número: 280 / Publicado em 09/03/2012 - 18:24

Sempre que possível, tentar obter evidência diagnóstica e detalhes (idade ao diagnóstico, idade do óbito, multiplicidade, tipo histopatológico e estadiamento) dos casos de tumores na família, através de comprovantes médicos como: laudos cirúrgicos, anatomopatológicos ou de imagem; relatórios médicos; atestado de óbito. A história de consangüinidade é importante nas doenças autossômicas recessivas com suscetibilidade ao câncer. A origem étnica também é importante, visto a prevalência de algumas alterações genéticas em algumas populações.

Abrir arquivo em PDF

Câncer de Mama: Prevenção Secundária.

Sociedade Brasileira de Mastologia e Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetríciaogia e Obstetrícia
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina
Número: 279 / Publicado em 09/03/2012 - 18:25

O câncer da mama é definido como precoce quando diagnosticado nos estádios clínicos I e II da União Internacional Contra o Câncer (UICC) podendo ser tratado com a conservação da mama e permitindo resultados de cura em torno de 75%, quando não há envolvimento metastático dos linfonodos axilares.

Abrir arquivo em PDF

Câncer de Mama: Prevenção Primária.

Sociedade Brasileira de Mastologia, Sociedade Brasileira de Cancerologia, Sociedade Brasileira de Patologia, Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia
Projeto Diretrizes - Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina
Número: 278 / Publicado em 09/03/2012 - 18:25

O câncer de mama representa a principal causa de morte por câncer nas mulheres brasileiras desde 1980, apresentando curva ascendente com tendência à estabilização nos últimos anos.

Abrir arquivo em PDF

Portal Saúde Direta - Footer
Atualizado em
02/08/2020