Profissionais: 7090
Prontuários: 489121

Portal Saúde Direta - Busca Palavra

BUSCA POR PALAVRA

POSTAGENS ANTERIORES

TAGS CLOUD

Protocolos Algoritmos Diretrizes Fluxogramas

Advertência: Estes artigos e resumos são protegidos pela Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98), sendo vedada a sua transcrição sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais sem autorização dos autores.

Adobe Acrobat Reader
É necessário o Adobe Acrobat Reader instalado.

Protocolo Clínico: Sepse Grave e Choque Séptico.

Achilles Rohlfs Barbosa, Glauco Sobreira Messias.
Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig) - 2009
Número: 911 / Publicado em 19/06/2012 - 09:18

Otimizar a utilização dos recursos materiais e humanos em uma abordagem sistematizada de uma síndrome de alta prevalência e morbi-mortalidade em nossas unidades, objetivando um atendimento de melhor qualidade, diminuindo mortalidade, morbidade e custos. Intensificar a participação dos hospitais da rede FHEMIG na campanha “Sobrevivendo à Sepse” (Surviving Sepsis Campaign), coordenada no Brasil pelo Instituto Latino Americano para Estudos da Sepse (ILAS) (www.sepsisnet.org).

Abrir arquivo em PDF

Protocolo Clínico: Atendimento ao Paciente Vítima de Traumatismo Abdominal.

Equipe de Cirurgia do HJXXIII
Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig) - 2009
Número: 910 / Publicado em 19/06/2012 - 09:34

A avaliação do abdome é um dos componentes mais críticos na abordagem inicial do traumatizado. O momento mais oportuno para avaliação abdominal deve ser determinado considerando o mecanismo de trauma, sua localização e o estado hemodinâmico do paciente.

Abrir arquivo em PDF

Protocolo Clínico: Atendimento ao Paciente Vítima de Traumatismo Cranioencefálico Leve - TCE leve.

Rodrigo Moreira Faleiro, Josaphat Vilela de Morais.
Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig) - 2009
Número: 909 / Publicado em 19/06/2012 - 09:20

Traumatismo crânio-encefálico (TCE) é entidade frequente e com alta mortalidade. A cada 15 segundos ocorre um caso de TCE e em decorrência deste, um paciente morre a cada 12 minutos; 50% das mortes decorrentes de trauma têm como etiologia o TCE.

Abrir arquivo em PDF

Prevenção Clínica de Doença Cardiovascular, Cerebrovascular e Renal Crônica.

Departamento de Atenção Básica - Série A. Normas e Manuais Técnicos - Cadernos de Atenção Básica - n.º 14
Secretaria de Atenção à Saúde - Ministério da Saúde - Brasília - 2006
Número: 907 / Publicado em 19/06/2012 - 09:35

A doença cardiovascular representa hoje no Brasil a maior causa de mortes; o número estimado de portadores de Diabetes e de Hipertensão é de 23.000.000; cerca de 1.700.000 pessoas têm doença renal crônica (DRC), sendo o diabetes e a hipertensão arterial responsáveis por 62,1% do diagnóstico primário dos submetidos à diálise. Essas taxas tendem a crescer nos próximos anos, não só pelo crescimento e envelhecimento da população, mas, sobretudo, pela persistência de hábitos inadequados de alimentação e atividade física, além do tabagismo.

Abrir arquivo em PDF

Normas Alimentares para Crianças Brasileiras Menores de Dois Anos - Embasamento Científico.

Elsa R. J. Giugliani e Cesar G. Victoria.
Organização Pan-Americana da Saúde - Organização Mundial da Saúde - Novembro de 1997
Número: 906 / Publicado em 19/06/2012 - 09:36

Avanços recentes em nosso conhecimento sobre a dieta ideal para crianças menores de 2 anos tornaram obsoletas muitas recomendações que, ainda hoje, constam de nossa prática pediátrica, ou mesmo de livros de texto de Pediatria. Por exemplo, pesquisas realizadas nos últimos 10 anos salientam a importância do aleitamento materno exclusivo nos primeiros meses de vida, da falta de necessidade de dar líquidos como chás, água ou sucos para crianças pequenas (e os riscos associados a essas práticas), o papel de micronutrientes como a vitamina A e o zinco na alimentação infantil, e a importância da densidade energética de alimentos complementares.

Abrir arquivo em PDF

Tratamentos Cirúrgicos para Epilepsia.

Centro Cochrane do Brasil - SP- 2006.
Medline (1966-2005), Registro de Ensaios Controlado da Colaboração Cochrane (2005, edição 1), Embase (1980- 2005), Lilacs (1982-2005).
Número: 905 / Publicado em 19/06/2012 - 09:37

Os tratamentos cirúrgicos são mais efetivos e seguros quando comparados a outras intervenções no tratamento das epilepsias? As evidências disponíveis no momento são insuficientes para afirmarmos se e qual abordagem cirúrgica é mais efetiva e segura no tratamento da epilepsia. Porém, o tratamento cirúrgico, parece ser mais viável e promissor do que as drogas antieplépticas. Não encontramos evidências que possam sugerir que o tratamento cirúrgico não seja seguro.

Abrir arquivo em PDF

Manual de Eventos Agudos em Anemia Falciforme.

Série A. Normas e Manuais Técnicos - Departamento de Atenção Especializada.
Secretaria de Atenção à Saúde - Ministério da Saúde - Brasília - 2009
Número: 904 / Publicado em 19/06/2012 - 09:38

A doença falciforme é uma das alterações genéticas mais frequentes no Brasil e no mundo e constitui-se em um grupo de doenças genéticas caracterizadas pela predominância da hemoglobina (Hb) S nas hemácias: anemia falciforme (Hb SS), Hb SC, S-talassemias e outras mais raras, como as Hb SD e Hb SE.

Abrir arquivo em PDF

Parte III – Protocolo de Doenças Infecciosas: Pielonefrite (Capítulo 68).

Fernando Suarez Alvarez, Marcelo Dominguez Canetti, Wilson Braz Corrêa Filho, Danielle Borghi
Secretaria de Saúde e Defesa Civil - Governo do Rio de Janeiro - 2010
Número: 903 / Publicado em 19/06/2012 - 09:40

Infecção urinária afetando o rim, provocada por bactérias. Afeta as mulheres mais frequentemente que aos homens. As gestantes são particularmente predispostas. É causada pelas mesmas bactérias responsáveis pela cistite, pois a infecção vai da bexiga para o rim através do ureter. A maior parte dos casos deve-se a infecção bacteriana por Gram negativos como Escherichia coli (80%), Proteus mirabilis e Klebsiella pneumoniae.

Abrir arquivo em PDF

Parte VI – Protocolos de Procedimentos: Intubação Pediátrica (Capítulo 142).

Fernando Suarez Alvarez, Marcelo Dominguez Canetti, Wilson Braz Corrêa Filho, Danielle Borghi
Secretaria de Saúde e Defesa Civil - Governo do Rio de Janeiro - 2010
Número: 902 / Publicado em 12/03/2012 - 10:55

Preceder a manobra por oxigenação e ventilação com bolsamáscara. Optar sempre que possível pela via orotraqueal com estabilização manual da cabeça e pescoço. A intubação por via nasotraqueal cega é geralmente impossível em pacientes pediátricos, pois a laringe é anteriorizada.

Abrir arquivo em PDF

Parte VI – Protocolos de Procedimentos: Fechamento de Ferimentos (Capítulo 141).

Fernando Suarez Alvarez, Marcelo Dominguez Canetti, Wilson Braz Corrêa Filho, Danielle Borghi
Secretaria de Saúde e Defesa Civil - Governo do Rio de Janeiro - 2010
Número: 901 / Publicado em 12/03/2012 - 10:55

Avaliar dor, parestesias e perda de função. Pesquisar na história: horário que ocorreu o ferimento, diabetes, imunossupressão, uso de corticosteróides que afetam a cicatrização. Fazer uso de precauções universais.

Abrir arquivo em PDF

Portal Saúde Direta - Footer
Atualizado em
17/06/2020
Saude-Direta-Facebook Saude-Direta-LinkedIN Saude-Direta-Twitter