Profissionais: 7091
Prontuários: 489124

Portal Saúde Direta - Busca Palavra

BUSCA POR PALAVRA

POSTAGENS ANTERIORES

TAGS CLOUD

Protocolos Algoritmos Diretrizes Fluxogramas

Advertência: Estes artigos e resumos são protegidos pela Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98), sendo vedada a sua transcrição sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais sem autorização dos autores.

Adobe Acrobat Reader
É necessário o Adobe Acrobat Reader instalado.

Estudo de Utilização de Medicamentos na Clínica Médica.

Gustavo José da Silva Pereira, Ivana Maria Fechine Sette, Lindomar de Farias Belém, Edílson Dantas da Silva Júnior, Arsênio Rodrigues Oliveira e Jahamunna Abrantes Andrade Barbosa.
Rev. Bras. Farm., 89(3), 2008
Número: 610 / Publicado em 18/06/2012 - 11:37

Quanto mais fármacos o paciente estiver utilizando, maiores serão as chances de ocorrer interação entre eles, apesar de que alguns estudos demonstram haver baixas incidências de interações medicamentosas e Reações Adversas a Medicamentos (RAMs), podendo algumas destas trazer conseqüências graves. Este trabalho analisou pacientes atendidos, entre outubro de 2007 a janeiro de 2008, em busca de possíveis RAMs que possam ter ocorrido nos 61 pacientes internados na clínica médica de um Hospital Público, partindo do pressuposto de que possa ter havido a utilização de um grande número de medicamentos simultaneamente. Em função dessa premissa, as prescrições foram avaliadas quanto à ocorrência de possíveis interações medicamentosas, bem como, suas freqüências. O estudo dos determinantes individuais de utilização de medicamentos indica os grupos mais sujeitos ao risco de RAMs, o que pode embasar estratégias específicas para diminuir a utilização nesses grupos, tais como, políticas mais restritivas para prescrições.

Abrir arquivo em PDF

Ilegibilidade e Ausência de Informação das Prescrições Médicas: Fatores de Risco Relacionados a Erros de Medicação.

Geysa Aguiar, Lourival Alves da Silva Júnior, Marco Antônio Magalhães Ferreira
RBPS 2006; 19 (2) : 84-91
Número: 609 / Publicado em 16/06/2012 - 15:17

Os erros na medicação podem acarretar sérias conseqüências aos pacientes, profissionais e instituições de saúde. Estes resultam de múltiplas causas, dentre elas a ilegibilidade e falta de informações das prescrições. Realizou-se um estudo de prescrições médicas com o objetivo de analisar a freqüência de riscos relacionados a erros de medicação. O estudo teve caráter quantitativo, do tipo descritivo e transversal, realizado nos meses de maio a julho de 2004.

Abrir arquivo em PDF

Análise da Completude de Prescrições Médicas Dispensadas em uma Farmácia Comunitária de Fazenda Rio Grande - Paraná (Brasil).

Rita de Fátima Tomé Aldrigue, Cassyano Januário Correr, Ana Carolina Melchiors e Roberto Pontarolo.
Acta Farm. Bonaerense 25 (3): 454-9 (2006)
Número: 608 / Publicado em 16/06/2012 - 15:19

Na população estudada, os analgésicos, AINES e antibióticos aparecem entre os mais prescritos, seguidos por fármacos para o trato gastrintestinal e respiratório. Quando analisado a completude das receitas, destaca-se a ausência do endereço do paciente (98%), da duração do tratamento (55,5%), das instruções complementares (97%) e da concentração do medicamento (20%). A média do Índice de Complexidade da Farmacoterapia por prescrição foi de 7,4 (DP=4,4). Este estudo demonstrou que orientações referentes à duração do tratamento e informações complementares sobre o uso são especialmente importantes para a dispensação, considerando o perfil das prescrições médicas.

Abrir arquivo em PDF

As Prescrições Médicas como Causadoras de Risco para Problemas Relacionados com os Medicamentos.

Divaldo P. de Lyra Junior, Maria Cristiane Trindade de Almeida Prado, Juliana Palma Abriata, Irene Rosemir Pelá.
Centro de Investigaciones y Publicaciones Farmacéuticas - Granada - España - 2004.
Número: 607 / Publicado em 16/06/2012 - 15:22

No Brasil milhões de prescrições geradas, anualmente, nos serviços públicos de saúde não apresentam os requisitos técnicos e legais imprescindíveis para uma dispensação eficiente e utilização correta dos medicamentos.

Abrir arquivo em PDF

Série Prevenindo Intoxicações: Medicamentos.

SINITOX/CICT/FIOCRUZ/MS.
Ministério da Saúde.
Número: 606 / Publicado em 16/06/2012 - 15:24

No Brasil, como na maioria dos países, os medicamentos se apresentam como o principal agente tóxico, respondendo por, aproximadamente, 28% dos casos de intoxicação humana registrados, anualmente, pelo SINITOX/CICT/FIOCRUZ/MS. Os benzodiazepínicos, antigripais, anti-depressivos, antiflamatórios são as classes de medicamentos que mais intoxicam em nosso país. Crianças menores de 5 anos representam, aproximadamente, 35% dos casos de intoxicação por medicamentos, no Brasil.

Abrir arquivo em PDF

Pílulas Anticoncepcionais de Emergência: Diretrizes Clínicas e de Serviços.

International Planned Parenthood Federation, Pathfinder International e PATH
Consórcio Internacional sobre Anticoncepção de Emergência - Segunda Edição - 2003
Número: 605 / Publicado em 16/06/2012 - 15:27

A oferta de anticoncepção de emergência é uma forma importante que permite aos programas de planejamento familiar e demais programas de saúde reprodutiva melhorar a qualidade de seus serviços e atender melhor as necessidades da clientela. A anticoncepção de emergência é necessária porque nenhum método anticoncepcional é 100% eficaz e poucas pessoas usam seus métodos de maneira perfeita cada vez que mantêm relação sexual. Adicionalmente, a anticoncepção de emergência é útil em casos de violência sexual.

Abrir arquivo em PDF

Interações Medicamentosas.

Rogério Hoefler.
Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos/MS - FTN
Número: 604 / Publicado em 16/06/2012 - 15:28

Interações medicamentosas é evento clínico em que os efeitos de um fármaco são alterados pela presença de outro fármaco, alimento, bebida ou algum agente químico ambiental. Constitui causa comum de efeitos adversos.

Abrir arquivo em PDF

Prevalência de Potenciais Interações Medicamentosas Droga-Droga em Unidades de Terapia Intensiva.

Hammes JA, Pfuetzenreiter F, Silveira F, Koenig A, Westphal GA.
Rev Bras Ter Intensiva. 2008; 20(4): 349-354
Número: 603 / Publicado em 16/06/2012 - 15:30

Resultados do Harvard Medical Practice Study II, revelam que as complicações relacionadas ao uso de medicações são o tipo de evento adverso mais comum na internação hospitalar (19% dos pacientes); sendo que, 2-3% dos pacientes hospitalizados experimentam reações provocadas especificamente por interações farmacológicas. Em unidades de terapia intensiva (UTI), estudos revelam que potenciais interações medicamentosas possam ocorrer em 44.3-95% dos pacientes.

Abrir arquivo em PDF

Interações Medicamentosas em Idosos Hospitalizados.

Juliana Locatelli.
einstein. 2007; 5(4):343-346
Número: 602 / Publicado em 16/06/2012 - 15:32

Com o processo de envelhecimento, ocorre uma série de alterações fisiológicas no organismo, que podem afetar sensivelmente tanto a farmacocinética como a farmacodinâmica da maioria dos fármacos, que geralmente resultam em uma duração mais longa da atividade, um efeito maior ou menor e um aumento da toxicidade medicamentosa e reações adversas.

Abrir arquivo em PDF

Impacto dos Medicamentos nas Intoxicações Humanas no Brasil.

Maria Élide Bortoletto, Rosany Bochner.
Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 15(4):859-869, out-dez, 1999
Número: 601 / Publicado em 16/06/2012 - 15:34

O presente trabalho analisa a participação dos medicamentos nas intoxicações humanas no Brasil, no período de 1993 a 1996, com base nos dados registrados pela Rede Nacional de Centros de Controle de Intoxicações. Os resultados são apresentados segundo causa determinante, faixa etária, sexo e evolução. O trabalho discute e apresenta algumas sugestões de medidas visando a prevenção desse grave problema de saúde pública, em especial aqueles acidentes ocorridos em crianças menores de cinco anos, que constituíram o principal grupo envolvido com o consumo inadequado de medicamentos. O artigo também discute a participação significativa do sexo feminino nos óbitos provocados por ingestão intencional de medicamentos.

Abrir arquivo em PDF

Portal Saúde Direta - Footer
Atualizado em
17/06/2020
Saude-Direta-Facebook Saude-Direta-LinkedIN Saude-Direta-Twitter