Profissionais: 7091
Prontuários: 489124

Portal Saúde Direta - Busca Palavra

BUSCA POR PALAVRA

POSTAGENS ANTERIORES

TAGS CLOUD

Protocolos Algoritmos Diretrizes Fluxogramas

Advertência: Estes artigos e resumos são protegidos pela Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98), sendo vedada a sua transcrição sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais sem autorização dos autores.

Adobe Acrobat Reader
É necessário o Adobe Acrobat Reader instalado.

Vacina DTP e Haemophilus influenzae b (Hib)

Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos)
Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz)
Número: 2717 / Publicado em 04/06/2013 - 08:10

A vacina combinada de DTP e Hib é também chamada tetravalente, já que protege, ao mesmo tempo, contra difteria, tétano, pertussis (coqueluche) e infecções graves pelo Haemophilus influenzae tipo b.

Abrir arquivo em PDF

Calendário de Vacinação (a partir dos 20 anos de idade)

Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos)
Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz)
Número: 2716 / Publicado em 04/06/2013 - 08:06

Bio-Manguinhos é o principal fornecedor de vacinas do Ministério da Saúde e sua produção é feita a partir da previsão anual do Programa Nacional de Imunizações (PNI). A Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS) coordena o PNI e define como serão as estratégias de utilização de imunobiológicos segundo a previsão da taxa de natalidade brasileira do respectivo ano e a situação epidemiológica do país. As vacinas demandadas pelo PNI são produzidas em Bio-Manguinhos e transportadas em caminhões frigoríficos para o Centro Nacional de Armazenamento e Distribuição de Imunobiológicos (Cenadi), permanecendo em câmaras frias até a aprovação dos lotes de vacinas e diluentes pelo Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS). Uma vez liberados, o Cenadi envia lotes em caixas térmicas para as coordenações estaduais de saúde, onde também são conservados em câmaras frias. Desta mesma forma, é feito o transporte para as centrais regionais, onde as vacinas também ficam armazenadas. Lá, os representantes dos postos de vacinação retiram a quantidade necessária para um determinado período na região em que atuam.

Abrir arquivo em PDF

Calendário de Vacinação (de 11 aos 19 anos de idade)

Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos)
Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz)
Número: 2715 / Publicado em 04/06/2013 - 08:03

A partir de 2004, o PNI ampliou sua área de atuação junto à população brasileira e o Ministério da Saúde estabeleceu três calendários obrigatórios de vacinação: o Calendário Básico de Vacinação da Criança, o Calendário de Vacinação do Adolescente e o Calendário de Vacinação do Adulto e Idoso. Estes calendários determinam as vacinas, o número de doses, a idade e o período em que devem ser tomadas para garantir uma proteção efetiva.

Abrir arquivo em PDF

Calendário Básico de Vacinação Infantil (Recém-Nascidos aos 10 anos de Idade)

Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos)
Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz)
Número: 2714 / Publicado em 04/06/2013 - 07:59

Com o objetivo de promover a vacinação da população brasileira e assim diminuir, ou até mesmo erradicar, várias doenças no território nacional, o Ministério da Saúde criou, em 1973, o Programa Nacional de Imunizações (PNI). Inserido na Secretaria de Vigilância em Saúde, o Programa estabelece normas e estratégias de utilização dos imunobiológicos.

Abrir arquivo em PDF

Prontuário Médico do Paciente - Guia para Uso Prático

Simônides da Silva Bacelar e colaboradores
Conselho Regional de Medicina do Distrito Federal - 2006
Número: 2713 / Publicado em 03/06/2013 - 11:57

“O prontuário do paciente representa segurança para os médicos cultos e conscienciosos, ameaça constante para audazes sem escrúpulos, ignorantes incorrigíveis e uma barreira intransponível contra reclamações e caprichos de clientes descontentes.” (Lacassagne)

Abrir arquivo em PDF

Mapa da Violência 2013 - Mortes Matadas por Armas de Fogo

Julio Jacobo Waiselfisz
Centro Brasileiro de Estudos Latino-Americanos - CEBELA
Número: 2712 / Publicado em 28/05/2013 - 12:30

O tema da violência em geral, e o da criminalidade em particular, tem merecido crescente atenção nos últimos anos, com um incremento significativo no número de estudos. Em menor escala, também o problema das armas de fogo, seu uso, sua posse e sua distribuição no Brasil, vem recebendo crescente atenção. Contamos já com estudos que tentam quantificar ou qualificar esse fenômeno, com merecido destaque em diversos foros nacionais e internacionais. Ainda assim, temos fortes carências nessa área, devido, principalmente, à inexistência de fontes com uma dose mínima de fidedignidade que possibilitem quantificar, abordar ou aprofundar o tema.

Abrir arquivo em PDF

Classificação Internacional de Doenças em Odontologia e Estomatologia (CID-OE)

Conselho Federal de Odontologia
WHO
Número: 2711 / Publicado em 28/05/2013 - 12:25

Classificação CID

Abrir arquivo em PDF

O Cuidado das Condições Crônicas na Atenção Primária à Saúde - Parte 3

Eugênio Vilaça Mendes
Organização Pan-Americana da Saúde / Organização Mundial da Saúde - Brasilia 2012
Número: 2710 / Publicado em 27/05/2013 - 12:00

A análise de todas essas evidências permitem supor que um bom sistema de atenção à saúde deve buscar uma otimização das relações entre os médicos especialistas e os médicos generalistas, tanto do ponto de vista quantitativo quanto qualitativo.

Abrir arquivo em PDF

O Cuidado das Condições Crônicas na Atenção Primária à Saúde - Parte 2

Eugênio Vilaça Mendes
Organização Pan-Americana da Saúde / Organização Mundial da Saúde - Brasilia 2012
Número: 2709 / Publicado em 27/05/2013 - 11:58

O âmbito macro é o das macropolíticas que regulam o sistema de atenção à saúde; o âmbito meso é o das organizações de saúde e da comunidade; e o âmbito micro é o das relações entre as equipes de saúde e as pessoas usuárias e suas famílias. Esses níveis interagem e influenciam de forma dinâmica uns aos outros. Assim, esses níveis estão unidos por um circuito interativo de retroalimentação em que os eventos de um âmbito influenciam as ações de outro, e assim sucessivamente.

Abrir arquivo em PDF

O Cuidado das Condições Crônicas na Atenção Primária à Saúde - Parte 1

Eugênio Vilaça Mendes
Organização Pan-Americana da Saúde / Organização Mundial da Saúde - Brasilia 2012
Número: 2708 / Publicado em 27/05/2013 - 11:44

As condições crônicas, especialmente as doenças crônicas, se iniciam e evoluem lentamente. Usualmente, apresentam múltiplas causas que variam no tempo, incluindo hereditariedade, estilos de vida, exposição a fatores ambientais e a fatores fisiológicos. Normalmente, faltam padrões regulares ou previsíveis para as condições crônicas. Ao contrário das condições agudas nas quais, em geral, pode-se esperar uma recuperação adequada, as condições crônicas levam a mais sintomas e à perda de capacidade funcional. Cada sintoma pode levar a outros, num ciclo vicioso dos sintomas: condição crônica leva a tensão muscular que leva a dor que leva a estresse e ansiedade que leva a problemas emocionais que leva a depressão que leva a fadiga que realimenta a condição crônica.

Abrir arquivo em PDF

Portal Saúde Direta - Footer
Atualizado em
17/06/2020
Saude-Direta-Facebook Saude-Direta-LinkedIN Saude-Direta-Twitter